Setor produtivo se manifesta a Bolsonaro
31/10/2018 10:08 em Brasil

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) recebeu cumprimentos e recomendações de entidades do setor produtivo ontem. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, por exemplo, falou que a indústria está disposta a contribuir e a dialogar com o novo governo para viabilizar mudanças:

– Não devemos perder a confiança na nossa capacidade de construir um país mais próspero, justo, com educação e saúde de qualidade, segurança pública e equilíbrio ambiental – opinou ele.

Entre as sugestões, o presidente da CNI pediu que Bolsonaro use o capital político das urnas para manter o “teto dos gastos” e prosseguir com a reforma da Previdência. Andrade ainda sugeriu que o novo governo encaminhe uma reforma tributária e faça a unificação dos tributos por meio da criação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA). Outras medidas defendidas foram facilitar o acesso ao crédito e diminuir os custos dos financiamentos. Por fim, Andrade pediu que Bolsonaro trabalhe pela intensificação dos programas de concessão e privatização.

Burocracia

O sistema CNDL, do qual fazem parte a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), as Federações das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDLs), as Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDLs), a CDL Jovem e o SPC Brasil, cumprimentou Bolsonaro e pediu pela redução da burocracia e simplificação de processos que envolvem abertura, funcionamento e inovação das empresas.

– Além do mais, é fundamental avançar no desenvolvimento de políticas relacionadas à segurança pública, à infraestrutura e ao acesso a crédito, privilegiando os empreendedores e, consequentemente, toda a sociedade brasileira – diz o comunicado à imprensa da CNDL.

 

"

“Não teremos dias de facilidade, não; teremos dias de dificuldade e precisaremos estar unidos”

Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil e coordenador da transição, ao prever, em entrevista à TV Brasil, que o novo governo terá um caminho árduo pela frente.  Entre as dificuldades apontadas pelo ministro está a negociação da reforma da Previdência no Congresso, que o governo Jair Bolsonaro pretende iniciar, sob nova forma, somente em 2019. Padilha julga que o período de “lua de mel” entre  o novo presidente da República e o Legislativo, que  ele estima entre 90 e 120 dias, não será suficiente para aprovar um novo modelo de reforma.

 

Fortes e fracos

Após a vitória de Jair Bolsonaro no âmbito federal, alguns estados mostraram a alta momentânea do bolsonarismo, e em São Paulo não foi diferente. O candidato derrotado Márcio França (PSB) quase venceu o governador eleito João Doria (PSDB) e pode ser considerado o maior vitorioso do processo eleitoral ao sair de 5% das intenções de voto para 48%. Restará a Doria juntar os cacos dos tucanos, mas já indicou que os caciques não terão vez em sua gestão. Ainda comemorando, correligionários não descartam uma filiação do governador ao DEM. Porém o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, pertence ao próprio DEM, agora conectado visceralmente a Bolsonaro. Se Doria quer pleitear o Planalto daqui a quatro anos, precisa ser um bom gestor para lidar com esta sinuca de bico.

Futuro de Haddad

Desde o começo rechaçado pela alta cúpula do PT, o candidato derrotado Fernando Haddad reuniu advogados de Luiz Inácio Lula da Silva ontem em São Paulo para uma reunião onde pediu força extra na estratégia recursal para ajudar o ex-presidente, que está preso em Curitiba desde abril. Haddad falou em “isolamento” de Lula, mas se preocupa com o próprio futuro. Sem cargo eletivo, sem posição de destaque no PT, Haddad é considerado sem perfil adequado para uma liderança no Partido dos Trabalhadores, segundo os antigos filiados. Aí estão Gleisi Hoffmann, Aloísio Mercadante e José Dirceu. Com duas derrotas seguidas, os petistas devem se reorganizar para eleger um novo líder para as próximas eleições municipais.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE
Para ouvir nossa rádio, baixe o aplicativo RadiosNet para celulares e tablets com Android ou iPhone/iPads.