Após desenhar política cultural de Salvador, Guerreiro projeta gestão criativa na FGM
05/01/2017 11:10 em Agenda Cultural

À frente da Fundação Gregório de Mattos desde 2012, Fernando Guerreiro destacou as principais conquistas dos seus quatro anos de trabalho, dentre elas a retomada da própria FGM e a criação de políticas públicas voltadas para a cultura, em nível municipal. “Primeiro eu acho muito importante é que a gente conseguiu trazer a Fundação de volta para a cidade de Salvador. A gente tinha uma cidade sem política cultural, praticamente. Por mais contraditório que possa parecer, quando cheguei na prefeitura eu encontrei a classe artística desmobilizada”, avaliou. Guerreiro falou ainda sobre outros pontos fortes de sua gestão, como a reinauguração de espaços culturais e o lançamento de editais que permitiram a descentralização da política de incentivo em Salvador. “A gente tinha uma Barroquinha [Espaço Cultural da Barroquinha] subutilizada, um Benin [Casa do Benin] subutilizado e um [Teatro] Gregório de Mattos fechado há oito anos”, disse ele. “Com os editais nós chegamos a 90 bairros, com projetos acontecendo na cidade inteira”, informou. Fernando Guerreiro disse ainda que nesta primeira etapa a FGM fez o “trabalho pesado” e que agora, mantido numa segunda gestão, poderá exercitar seu lado mais criativo. Com mais de 40 anos de teatro, ele contou ainda que conciliará o papel de presidente da Fundação, com o de artista. “Eu volto pro palco, porque são praticamente quatro anos que eu não fiz nada, então eu já comecei a me desesperar”, disse Guerreiro, que já revelou alguns planos futuros.  “Talvez eu faça algumas remontagens. 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE
Para ouvir nossa rádio, baixe o aplicativo RadiosNet para celulares e tablets com Android ou iPhone/iPads.